Produção

O cafeeiro é uma planta que requer muito cuidado e, sendo uma cultura perene, não se pode errar no manejo. Na fazenda tem sido utilizada a adubação organomineral e complementação quando necessário com adubo químico e usamos também composto orgânico. Herbicida é o mais restrito, utilizado apenas para triação e durante toda safra é trabalhada a roçadeira ecológica. Na propriedade é realizado o MIPD. Para o manejo de poda é utilizado o sistema a “safra zero” com decote alto e esqueletamento. O manejo é realizado sempre que a planta necessite, geralmente vindo de uma safra muito grande. Destacamos que na fazenda trabalhamos de forma a respeitar o meio ambiente adotando práticas mais sustentáveis e buscando garantir a qualidade dos cafés produzidos.

Colheita

Na propriedade o planejamento de colheita é definido de acordo com a maturação do café. São feitos dois tipos de coleta de dados para essa tomada de decisão: para a colheita seletiva é realizada a aferição de grau brix dos lotes e processamento via fermentação e/ou terreiro suspenso. Já para a colheita mecanizada, a decisão é tomada quando a lavoura já está com a maturação um pouco mais avançada para dar início. A colheita na fazenda se inicia em abril e termina em agosto. Para a colheita mecanizada é utilizada a colhedora por arrasto.

Pós-Colheita

A propriedade utiliza os seguintes processamentos: Natural, CD e Fermentação Controlada (Nucoffee Artisans). A fazenda conta com a seguinte infraestrutura pós-colheita: lavador, terreiro (concreto e suspenso), secador e tulha. O manejo pós-colheita da propriedade tem início com a separação hidráulica dos frutos de café e depois são levados para o terreiro. Os frutos são dispostos grão a grão (camada fina) e a partir do 2° dia começa a “rodar” o café e também o sistema de dobra do lote. Secagem no terreiro dura em torno de 5 dias e é finalizada no secador com mais 2 dias. Após finalizar o processo de secagem, o café é levado para as tulhas e fica descansando por 20 dias antes de ser beneficiado. O produtor acredita que a técnica de descansar o café é um diferencial para a qualidade.

Sustentabilidade

A fazenda trabalha com plantio de árvores nativas e temos as nascentes registradas e protegidas com matas ciliares. De acordo com o sr. Gilson a fazenda tem evoluído na garantia da qualidade dos lotes de café e começado a participar de concursos de qualidade. Todos os funcionários contam com toda assistência necessária. As funcionárias da propriedade iniciaram um projeto de reutilização de óleos para fabricação de sabão. O sr. Gilson relatou que quando iniciaram a produção de cafés especiais alguns colaboradores acharam a ideia muito complexa e trabalhosa, mas hoje ele consegue ver que seu time está muito mais motivado e aprenderam muito com os novos processos.

Projetos Futuros

Em busca de melhorar a qualidade dos cafés produzidos na fazenda, o sr. Gilson está investindo em uma nova estrutura de secagem e benefício muito mais moderna, em que se busca mais qualidade e cuidado no processo de produção de café. De acordo com o sr. Gilson, o próximo passo é implementação da certificação dos cafés aliada com qualidade e responsabilidade.